sexta-feira, 9 de abril de 2010

Sexto sentido

Fui ao oráculo e pedi uma resposta, iluminação, epifania... algo que me guiasse nos descampados em que ando correndo, nua e só.

Minha resposta veio via e-mail. Vejam só, até Apolo já se modernizou.

Quem me respondeu foi Caio Fernando Abreu, disse-me que vou continuar batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo nesta porta que não abre nunca.

Creiu profundamente na minha sensibilidade e intuição, não tenho religião.

Porém mesmo tendo a resposta para minha pergunta, clara e internética, não posso deixar de me arriscar. Porque perguntei se já sabia? E se já sabia e perguntei, porque insisto?

Insisto porque acho feio desistir, não ir até o fim, abandonar o barco.

Acho feio fugir sem sentir a dor justamente para não sentí-la. Acho mutilação, colocar ponto final onde deveria haver reticências. Acho pobre e desleal.

E quem fechou a porta afinal?

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. belo Marcelitxa...e quem fechou a porta afinal? o universo que conspira para os encontros e desencontros da vida, ou o ser que é covarde e não enfrenta os obstáculos do caminho? As portas estarão sempre fechadas, cabe a nós mesmos descobrirmos aonde a chave foi escondida...se debaixo do tapete, naquele vaso do jardim ou na areia do tempo e do espaço...

    ResponderExcluir
  3. Agora é dar um susto em quem fechou a porta. Um bom chute ou usar um grampo para arrombamento já ajudam.
    Zoeira. Bonito texto.

    ResponderExcluir
  4. obrigada pelas ótimas soluções gente!!!

    ^^

    ResponderExcluir